São Tomé, o discípulo que duvidou da ressurreição de Cristo: mensagem do Padre Marcos para o mês de julho.

julho 2, 2018 No Comments

São Tomé

Tomé foi um dos doze apóstolos. Seu nome está ligado à expressão “ver para crer”, pois ele estava ausente e duvidou da ressurreição de Jesus.

Tomé era judeu da Galileia e como outros discípulos era um pescador. O primeiro encontro de Tomé com Jesus se deu nas margens do mar de Tiberíades, conforme relata o Evangelho de São João: “Estavam juntos Simão Pedro, Tomé chamado Gêmeo, e outros discípulos de Jesus.

Ainda no Evangelho de São João, quando Jesus ouviu falar que Lázaro, irmão de Maria estava doente, disse aos discípulos: “Vamos outra vez à Judeia!” Os discípulos contestaram: “Mestre, agora há pouco os judeus queriam te apedrejar, e vais de novo para lá?” Jesus disse: “O nosso amigo Lázaro adoeceu. Eu vou acordá-lo.” Os discípulos disseram: “Senhor, se ele está dormindo vai se salvar”. Então Jesus falou claramente para eles: “Lázaro está morto. Agora vamos para a casa dele.” Então Tomé, chamado Gêmeo, disse aos companheiros: “Vamos nós também para morrermos com ele”. (João 11, 7-8-11-12-14-16).

Em outro momento do Evangelho de São João, durante a ceia, após Jesus saber que foi traído por Judas e se retirar do meio dos apóstolos, Tomé disse a Jesus: “Senhor, nós não sabemos para onde vais como podemos conhecer o caminho?” Jesus respondeu; “Eu sou o Caminho, a Verdade e a Vida. Ninguém vai ao Pai senão por mim.” (João 14, 5-6).

A dúvida de São Tomé

Tomé não estava com os outros discípulos quando Jesus veio à terra em sua primeira aparição. Os outros discípulos disseram para ele: “Nós vimos o Senhor”. Tomé disse: “Se eu não vir a marca dos pregos nas mãos de Jesus, se eu não colocar o meu dedo na marca dos pregos, e se eu não colocar a minha mão no lado dele, eu não acreditarei”.

Uma semana depois, os discípulos estavam reunidos de novo. Desta vez, Tomé estava com eles. Estando fechadas as portas, Jesus entrou. Ficou no meio deles e disse: “A Paz esteja com vocês.” Depois disse a Tomé: “Estenda aqui o seu dedo e veja as minhas mãos. Estenda a sua mão e toque o meu lado. Não seja incrédulo, mas tenha fé”. Tomé respondeu a Jesus: “Meu Senhor e meu Deus!” Jesus disse: “Você acreditou porque viu? Felizes os que acreditam sem ter visto.” (João 20, 25-26-27-28-29). Esse ato, deu lugar à expressão segundo São Tomé: ”ver para crer.”

O Papa São Gregório Magno meditando sobre a incredulidade de Tome diz: “ A incredulidade de Tomé não foi um acaso, mas prevista nos planos de Deus. O discípulo, que, duvidando da ressurreição do Mestre, pôs as mãos nas chagas do mesmo, curou com isso a ferida da nossa incredulidade”.

 

Missionário e mártir na Índia

Depois da morte de Jesus, São Tomé estendeu seu apostolado até a Índia, onde foi perseguido por líderes religiosos. Conquistou muitos seguidores e em Malabar surgiu uma fervorosa comunidade cristã. Fundou a Igreja de São Tomé. Consta que foi martirizado e morto pelo rei de Milapura, na cidade indiana de Madras, onde fica o monte São Tomé e a Catedral de mesmo nome, supostamente o local de seu sepultamento. Historiadores acreditam que o apóstolo foi morto à flechadas, por hindus, enquanto orava.

Suas relíquias foram veneradas na Síria e depois levadas para o Ocidente e preservadas em Ortona, na Itália. O dia de São Tomé é dia 03 de julho dia de seu martírio.

 

 

Pe. Marcos Roberto Marque Ortega
Pároco e Reitor do Santuário Sagrado Coração de Jesus 
Palavra do Padre

Comente!